grinin elli tonu izle

Curso – Comunidades Quilombolas

Semana de Formação Missionária sobre Comunidades Quilombolas

Início do curso: 02/03, missa às 18h.
Término do curso: 06/03, às 12h.

Teimosia e resistência das Comunidades Quilombolas

“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.” (Lc 10,33-34).

Prezados Irmãos e Irmãs,

O Centro Cultural Missionário de Brasília (CCM) e a Comissão Pastoral para a Ação Social Transformadora (Pastorais Sociais) da CNBB promovem de 02 a 06 de março de 2020, a Semana de Formação Missionária sobre Comunidades Quilombolas, para os agentes de pastorais e lideranças que se articulam neste contexto, presentes em nossas Arquidioceses, Dioceses e Prelazias do Brasil. Essa semana tem como objetivo refletir sobre a teimosia e resistência das comunidades quilombolas num contexto de mudança de época, a partir do documento de estudo da CNBB n.105 sobre a Igreja e as Comunidades Quilombolas.
“A Constituição Federal de 1988 garantiu às comunidades quilombolas o reconhecimento de seus direitos territoriais. O artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias prevê: ‘Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.’” (Estudos CNBB, 105, n.53). Se por um lado a Constituição garante o direito a estes povos, por outro, grupos cada vez mais interessados em roubar o solo destes nossos irmãos e irmãs crescem assustadoramente.
Diante desta realidade “a Igreja, fiel à sua índole servidora, tem uma palavra a dirigir às comunidades quilombolas e à sociedade. Faz isto a partir de Jesus Cristo, que fez a opção pelos pequenos e pobres. Na sua missão de advogada da justiça e defensora dos pobres, a Igreja se faz solidária aos quilombolas nas suas reivindicações pela defesa de seus territórios, na afirmação de seus direitos, na cidadania, nos projetos próprios de desenvolvimento e consciência da negritude” (Estudos CNBB, 105, n.157).
Ao oferecer esta semana de formação, é nosso desejo suscitar cada vez mais o protagonismo das comunidades quilombolas na perspectiva de que seus direitos à terra e a uma vida digna sejam garantidos e, para provocar uma maior consciência desta realidade em nossas Igrejas particulares a respeito da presença e existência destas comunidades e nosso compromisso e missão junto à elas.
A sua participação é muito importante para fortalecimento desta consciência na Igreja.
Fraternalmente em Cristo,

Dom Odelir José Magri
Diretor Presidente do Centro Cultural Missionário
Bispo de Chapecó, SC e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a
Ação Missionária e Cooperação Intereclesial

Pe. Jaime Luiz Gusberti
Secretário Executivo do CCM

 

 

OBJETIVO GERAL

Refletir e aprofundar sobre a teimosia e resistência das comunidades quilombolas num contexto de mudança de época, a partir do documento de estudo da CNBB n.105 sobre a Igreja e as Comunidades Quilombolas.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Fazer memória do protagonismo alicerçado na teimosia e resistência das comunidades quilombolas.
2. Provocar uma maior consciência desta realidade em nossas Igrejas particulares.
3. Renovar o compromisso e missão da Igreja com estes povos.
4. Promover o diálogo e reconhecer a diversidade das culturas e religiões presentes nas comunidades quilombolas.
5. Análise de conjuntura atual da situação das comunidades quilombolas no Brasil.

PÚBLICO

Cristãos leigos e leigas, lideranças e coordenadores das Pastorais Sociais e Organismos (Pastoral Afro-brasileira, Pastoral dos Pescadores, Cáritas, missionários do CIMI, Serviço Pastoral dos Migrantes, Comissão Pastoral da Terra), assim como representantes das comunidades quilombolas presentes em todas as dioceses, arquidioceses e prelazias do Brasil.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. O processo histórico e formação das comunidades quilombolas no Brasil.
2. A resistência das comunidades quilombolas à luz dos documentos da Igreja e a esperança que nasce da teimosia.
3. Comunidades quilombolas e território: direito coletivo à terra.
4. Aprofundar a identidade, protagonismo e missão das comunidades quilombolas.
5. Estratégias de organização e fortalecimento das comunidades quilombolas.

ASSESSORIA

A assessoria será do Pe. Ari Antônio dos Reis, pertencente ao clero da Arquidiocese de Passo Fundo -RS, um dos organizadores do documento de estudos da CNBB n.105.

METODOLOGIA

1. Aulas expositivas.
2. Debate e partilha de experiências.
3. Trabalhos em grupos.
4. Oração e Celebração Eucarística diária.

DATA E LOCAL

A Semana será realizada de 02 a 06 de março de 2020, no Centro Cultural Missionário da CNBB, SGAN 905 Conj. “C” – Brasília, DF – Fone: (61) 32743009.

INSCRIÇÕES

Poderão ser efetuadas pela internet através do website: www.ccm.org.br. O valor do curso é de
R$ 780,00. Nesta taxa estão inclusas formação, alimentação e hospedagem. O número de vagas é de 45 pessoas.

OBS: Não disponibilizamos transporte e nem passeio pela cidade de Brasília.

Pela compreensão, agradecemos.

Custo da formação e hospedagem: R$ 780,00

OBS. Para quem chegar antes e sair depois das datas do evento,
serão cobradas diárias no valor de R$ 80,00.

FORMA DE PAGAMENTO:
1. Transferência Bancária: Banco Itaú / Agência: 0522 / Conta: 01282-2 / CNPJ: 31.164.346/0001-59
2. Cheque Nominal ao Centro Cultural Missionário.
3. Solicitação de Boleto Bancário no preenchimento da Ficha de Inscrição.

[O Boleto será enviado via Email]

FAÇA AQUI SUA INSCRIÇÃO