izmir web tasarım

Origem e história

O Centro Cultural Missionário (CCM) nasce no ano de 1982, em Brasília, assumindo a antecedente junção entre o Centro de Formação Intercultural (CENFI) e o Serviço de Colaboração Apostólica Internacional (SCAI), e a mais recente criação do Centro de Animação e Estudos Missionários (CAEM). Em 29 de dezembro de 1982, a Presidência e a Comissão Episcopal de Pastoral (CEP) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), constituídas em Assembleia do CENFI-SCAI, decidem de reunir num único Centro Cultural Missionário o CENFI-SCAI, sob forma de dois departamentos, e o CAEM, departamento para animação e estudos missionários. Em 20 de dezembro de 1983 a mesma instância homologa essa decisão.

O CENFI

Nasce em 1960 em Anápolis, GO, fundado pelos Franciscanos Menores, por obra do norte-americano Fr. João Batista Vogel, sob impulso do famoso teólogo e sociólogo Mons. Ivan Illich, e de seus Centros de Formação Intercultural (CIF) de Fordham, EUA, e de Documentação Intercultural (CIDOC) de Cuernavaca, México.

Objetivo dessa obra é:

  • promover, coordenar e executar medidas e providências destinadas a incrementar a aproximação cultural e a estreitar as relações humanas entre os povos do Continente americano;
  • organizar e manter em funcionamento estabelecimentos destinados ao estudo e a pesquisa da estrutura social e econômica do país, costumes e estilo de vida de seus grupos;
  • mobilizar equipes destinadas a cooperar, no país e no exterior;
  • proporcionar a estudantes, missionários, diplomatas e técnicos estrangeiros, conhecimento a respeito da língua, costumes e cultura do país.

Pensado inicialmente para a capacitação dos missionários franciscanos, esse centro é logo aberto a acolher religiosas e religiosos de outras congregações. Em 1962 o CENFI é transferido para Petrópolis, RJ, lugar mais acessível. Neste ano obtém a aprovação de seus primeiros estatutos por uma Assembleia de Constituição da entidade presidida por Dom Hélder Câmara.

Em 1969, a CNBB e a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) passam a integrar o CENFI, participando de suas Assembleias Gerais.

Em 1970, vista a pouca procura pelo Centro de Formação Intercultural, a Assembleia Geral decide transferir o CENFI para São Paulo – Rua Antônio Pires 48, Freguesia do Ó – a partir de 1 de agosto.

Em 20 de janeiro de 1972, o CENFI volta para o Rio de Janeiro, na Rua Almirante Alexandre, 2023, na capital fluminense. A seguir, neste mesmo ano, o CENFI torna-se um organismo vinculado a CNBB, indicado especialmente para o acolhimento de missionários estrangeiros. Determina-se também que o SCAI exerça suas atividades junto com o CENFI.

Em 1977, decide-se pela transferência do CENFI/SCAI para Brasília. São abertas negociações com a Sociedade do Verbo Divino e com as Servas do Espírito Santo para a instalação do Centro. O CENFI/SCAI chega a Brasília em agosto de 1978, e começa a funcionar na Av. L 2 Norte – Quadra 609.

No entanto, desde a XV Assembleia Geral dos Bispos do Brasil em 1977, aponta-se para a urgência de constituir um Centro Missionário que pudesse formar e acompanhar os missionários de maneira mais consistente. O projeto é retomado em 1979 na XVII Assembleia Geral, e efetivado em caráter experimental a partir de fevereiro de 1981. Em dezembro de 1982 é criado o Centro Cultural Missionário.

Sucessivamente, neste mesmo ano, a sede do organismo recém criado se muda para um prédio cedido pela Companhia de Jesus às Pontifícias Obras Missionárias, na Av. L-2 Norte – Quadra 601. A nova sede oferece melhores acomodações e melhores possibilidades para as atividades.

Enfim, a partir de 1995, os cursos do CENFI são realizados numa sede própria para o CCM, situada em Brasília na quadra 905 Norte, Conjunto “C”, num imóvel doado pela Congregação do Espírito Santo e reformado pela CNBB com a colaboração das Pontifícias Obras Missionárias.

O SCAI

A idéia da criação de um Serviço de Colaboração Apostólica Internacional surgiu em 1964 por iniciativa de algumas entidades ligadas à CNBB e à CRB. Teve como grande protagonista o Pe. Tiago Cloin, CSSR, em qualidade de Secretário Geral da CRB.

Embora o SCAI fizesse parte da concepção de conjunto idealizada por Ivan Illich, ele não nasceu vinculado ao CENFI. A intuição básica que estava à origem da fundação do SCAI era a necessidade de incentivar a cooperação apostólica internacional em favor da evangelização no Brasil. Pe. Tiago valeu-se de numerosos apoios de que dispunha na Europa, especialmente por parte do Movimento “Pro Mundi Vita”.

O SCAI foi criado com as seguintes finalidades:

  • promover uma melhor distribuição de recursos humanos e materiais na atividade apostólica;
  • recrutar novos missionários;
  • captar recursos para a atividade missionária;
  • facilitar a tramitação de documentos de entrada e permanência dos missionários estrangeiros no país;
  • acompanhar os missionários, especialmente os “Fidei Donum”.

Durante a ditadura militar, pela dificuldade de obter a documentação necessária para entrar e permanecer no Brasil, a atividade do SCAI se concentrou praticamente na assistência jurídica e administrativa aos missionários estrangeiros, assim como passou mais adiante a oferecer assistência jurídica e administrativa aos missionários brasileiros enviados ao exterior.

O CAEM

Com a criação do CCM, em dezembro de 1982, a Presidência e a Comissão Episcopal de Pastoral da CNBB decidem pela constituição de um departamento para a animação e estudos missionários que pudesse assumir as seguintes tarefas:

  • organizar e administrar uma biblioteca missiológica;
  • coordenar um serviço de informação e publicações missionárias;
  • promover a orientação missionária no país, ad intra e ad extra;
  • realizar cursos de formação e animação missionária.

A partir do surgimento do CAEM, o CCM começa a articular a realização de cursos de formação missionária para brasileiras e brasileiros enviados a outros países, para presbíteros, seminaristas, religiosas e religiosos, leigas e leigos que atuam em regiões e projetos missionários no Brasil, ou que desejam fortalecem sua motivações missionárias.

Por falta de uma pessoa que pudesse coordenar as atividades do CAEM, os cursos de formação missionária vem sendo assumidos, desde o início, pela secretaria executiva do CCM junto à Dimensão Missionária da CNBB e ao COMINA.