Conheça o CCM

O Centro Cultural Missionário (CCM) nasce no ano de 1982, em Brasília, assumindo a antecedente junção entre o Centro de Formação Intercultural (CENFI) e o Serviço de Colaboração Apostólica Internacional (SCAI), e a mais recente criação do Centro de Animação e Estudos Missionários (CAEM). Em 29 de dezembro de 1982, a Presidência e a Comissão Episcopal de Pastoral (CEP) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), constituídas em Assembleia do CENFI-SCAI, decidem de reunir num único Centro Cultural Missionário o CENFI-SCAI, sob forma de dois departamentos, e o CAEM, departamento para animação e estudos missionários. Em 20 de dezembro de 1983 a mesma instância homologa essa decisão.

É uma filial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e tem por finalidade:

  • Oferecer um percurso de iniciação à missão no Brasil para missionárias e missionários que chegam do exterior;
  • Promover cursos de formação missionária para brasileiras e brasileiros enviados a outra região ou país como missionários além-fronteiras;
  • Realizar eventos de estudo e aprofundamento sobre teologia, espiritualidade e prática de missão para diversos segmentos eclesiais;
  • Fomentar o surgimento e a capacitação específica de animadores missionários na Igreja no Brasil.

Faz parte integrante da missão do CCM também:

  • Acompanhar e dar apoio a presbíteros, religiosos, religiosas, leigos e leigas em suas etapas iniciais de formação missionária ou de inserção na realidade do Brasil;
  • Proporcionar assistência, orientação e apoio legal e administrativo aos missionários;
  • Acolher práticas missionárias significativas e favorecer a partilha de testemunhos;
  • Incentivar a articulação missionária da Igreja no Brasil;
  • Elaborar e divulgar subsídios e publicações de animação missionária;
  • Produzir pesquisas e estudos sobre questões relevantes para a caminhada missionária da Igreja.

Departamentos

O CCM é constituído por três departamentos:

  1. CENFI – (Centro de Formação Intercultural), que se dedica à formação cultural e eclesial das missionárias e dos missionários estrangeiros que chegam ao Brasil, através da aprendizagem da língua portuguesa, da introdução sobre elementos das culturas brasileiras e da iniciação à atuação missionária neste País.
  2. SCAI – (Serviço de Colaboração Apostólica Internacional), que oferece assistência jurídica e orientação às missionárias e missionários estrangeiros em relação ao visto de entrada, prorrogação e permanência legal no Brasil, e assistência jurídica às missionárias e missionários brasileiros que saem para a missão em outros países.
  3. CAEM – (Centro de Animação e Estudos Missionários), que proporciona cursos de formação missionária para brasileiras e brasileiros enviados a outros países, para presbíteros, seminaristas, religiosas e religiosos, leigas e leigos que atuam em regiões e projetos missionários no Brasil, ou que desejam fortalecem sua motivações missionárias.

O CENFI

Nasce em 1960 em Anápolis, GO, fundado pelos Franciscanos Menores, por obra do norte-americano Fr. João Batista Vogel, sob impulso do famoso teólogo e sociólogo Mons. Ivan Illich, e de seus Centros de Formação Intercultural (CIF) de Fordham, EUA, e de Documentação Intercultural (CIDOC) de Cuernavaca, México.

Objetivo dessa obra é:

  • Promover, coordenar e executar medidas e providências destinadas a incrementar a aproximação cultural e a estreitar as relações humanas entre os povos do Continente americano;
  • Organizar e manter em funcionamento estabelecimentos destinados ao estudo e a pesquisa da estrutura social e econômica do país, costumes e estilo de vida de seus grupos;
  • Mobilizar equipes destinadas a cooperar, no país e no exterior;
  • Proporcionar a estudantes, missionários, diplomatas e técnicos estrangeiros, conhecimento a respeito da língua, costumes e cultura do país.

Pensado inicialmente para a capacitação dos missionários franciscanos, esse centro é logo aberto a acolher religiosas e religiosos de outras congregações.

Em 1962 o CENFI é transferido para Petrópolis, RJ, lugar mais acessível. Neste ano obtém a aprovação de seus primeiros estatutos por uma Assembleia de Constituição da entidade presidida por Dom Hélder Câmara.

Em 1969, a CNBB e a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) passam a integrar o CENFI, participando de suas Assembleias Gerais.

Em 1970, vista a pouca procura pelo Centro de Formação Intercultural, a Assembleia Geral decide transferir o CENFI para São Paulo – Rua Antônio Pires 48, Freguesia do Ó – a partir de 1 de agosto.

Em 20 de janeiro de 1972, o CENFI volta para o Rio de Janeiro, na Rua Almirante Alexandre, 2023, na capital fluminense. A seguir, neste mesmo ano, o CENFI torna-se um organismo vinculado a CNBB, indicado especialmente para o acolhimento de missionários estrangeiros. Determina-se também que o SCAI exerça suas atividades junto com o CENFI.

Em 1977, decide-se pela transferência do CENFI/SCAI para Brasília. São abertas negociações com a Sociedade do Verbo Divino e com as Servas do Espírito Santo para a instalação do Centro. O CENFI/SCAI chega a Brasília em agosto de 1978, e começa a funcionar na Av. L 2 Norte – Quadra 609.

No entanto, desde a XV Assembleia Geral dos Bispos do Brasil em 1977, aponta-se para a urgência de constituir um Centro Missionário que pudesse formar e acompanhar os missionários de maneira mais consistente. O projeto é retomado em 1979 na XVII Assembleia Geral, e efetivado em caráter experimental a partir de fevereiro de 1981. Em dezembro de 1982 é criado o Centro Cultural Missionário.

Sucessivamente, neste mesmo ano, a sede do organismo recém criado se muda para um prédio cedido pela Companhia de Jesus às Pontifícias Obras Missionárias, na Av. L-2 Norte – Quadra 601. A nova sede oferece melhores acomodações e melhores possibilidades para as atividades.

Enfim, a partir de 1995, os cursos do CENFI são realizados numa sede própria para o CCM, situada em Brasília na quadra 905 Norte, Conjunto “C”, num imóvel doado pela Congregação do Espírito Santo e reformado pela CNBB com a colaboração das Pontifícias Obras Missionárias.

O SCAI

A idéia da criação de um Serviço de Colaboração Apostólica Internacional surgiu em 1964 por iniciativa de algumas entidades ligadas à CNBB e à CRB. Teve como grande protagonista o Pe. Tiago Cloin, CSSR, em qualidade de Secretário Geral da CRB.
Embora o SCAI fizesse parte da concepção de conjunto idealizada por Ivan Illich, ele não nasceu vinculado ao CENFI. A intuição básica que estava à origem da fundação do SCAI era a necessidade de incentivar a cooperação apostólica internacional em favor da evangelização no Brasil. Pe. Tiago valeu-se de numerosos apoios de que dispunha na Europa, especialmente por parte do Movimento “Pro Mundi Vita”.
O SCAI foi criado com as seguintes finalidades:

  • Promover uma melhor distribuição de recursos humanos e materiais na atividade apostólica;
  • Recrutar novos missionários;
  • Captar recursos para a atividade missionária;
  • Facilitar a tramitação de documentos de entrada e permanência dos missionários estrangeiros no país;
  • Acompanhar os missionários, especialmente os “Fidei Donum”.

Durante a ditadura militar, pela dificuldade de obter a documentação necessária para entrar e permanecer no Brasil, a atividade do SCAI se concentrou praticamente na assistência jurídica e administrativa aos missionários estrangeiros, assim como passou mais adiante a oferecer assistência jurídica e administrativa aos missionários brasileiros enviados ao exterior.

O CAEM

Com a criação do CCM, em dezembro de 1982, a Presidência e a Comissão Episcopal de Pastoral da CNBB decidem pela constituição de um departamento para a animação e estudos missionários que pudesse assumir as seguintes tarefas:

  • Organizar e administrar uma biblioteca missiológica;
  • Coordenar um serviço de informação e publicações missionárias;
  • Promover a orientação missionária no país, ad intra e ad extra;
  • Realizar cursos de formação e animação missionária.

A partir do surgimento do CAEM, o CCM começa a articular a realização de cursos de formação missionária para brasileiras e brasileiros enviados a outros países, para presbíteros, seminaristas, religiosas e religiosos, leigas e leigos que atuam em regiões e projetos missionários no Brasil, ou que desejam fortalecem sua motivações missionárias.

Equipe

Dom Ricardo Hoepers

Presidente do CCM e Secretário Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Dom Maurício da Silva Jardim

Vice-Presidente do CCM e Presidente da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial

Dom Giovane Pereira de Melo

Secretário do CCM e Presidente da Comissão Episcopal para o Laicato

Pe. Tiago Ávila Camargo

Diretor Geral do CCM e Assessor da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial

Pe. Antonio Niemiec

Coordenador Pedagógico do CCM

Monsenhor Nereudo Freire Henrique

Coordenador Administrativo-Financeiro do CCM e Ecônomo da CNBB

Maria Inês da Conceição

Secretária do Departamento Administrativo

Joselina Teixeira de Carvalho

Recepcionista do Departamento Administrativo

Osmar Favretto

Financeiro

Maria Cecília Praxedes Almeida

Cozinheira

Maria Pereira de Sousa

Auxiliar de Cozinha

Maria de Lourdes Teixeira Santos

Serviços Gerais

Weben Sousa da Silva

Serviços Gerais

Erasmo Freire de Oliveira

Encarregado de Manutenção

João Marcos Almeida Lima

Jardineiro

Assessoras e Assessores dos Cursos do CCM

Somos sabedores que o Assessor/a tem um papel muito importante na condução de um curso. O CCM, que tem como finalidade oferecer, promover, fomentar e realizar eventos de estudo e aprofundamento sobre teologia, espiritualidade e prática missionária, está ciente desta responsabilidade. Por isso, convida especialistas segundo sua qualificação e “testemunho de vida” (cf. EN 41), para atender de modo satisfatório os cursistas que a esta casa se dirigem. Também é verdade que de nada vale termos os melhores profissionais se o cursista não demostra interesse em aprofundar seus conhecimentos e colaborar para uma prática mais comprometida e libertadora à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, numa Igreja em saída, que “procura os afastados e chega às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos” (EG 24). A causa missionária deve ser (…) a primeira de todas as causas” (EG 15).

Infraestrutura

A casa oferece espaços agradáveis e amplos para hospedar 45 pessoas: salas de conferências, salas de reuniões, salas de aulas, salas de estar com TV a cabo, biblioteca, laboratório, capela, oratório, lavanderia comunitária e uma área externa de 4000 m2. Os quartos são individuais ou, em alguns casos, duplos, com roupa de cama, banho e telefone. Todos os ambientes da casa têm conexão com internet sem fio.

Endereço

SGAN 905, Conjunto C, Asa Norte
CEP 70790-050 – Brasília/DF

Do aeroporto: Ônibus coletivo [via até a Rodoviária do Plano Piloto e lá tomar o ônibus 116 e descer na W3 Norte – Quadra 504/505, em frente ao supermercado Carrefour Bairro. Atravessar a avenida W3 em direção à W5. Na quadra 905 da W5 Norte, na esquina com as Pontifícias Obras Missionárias, há uma rua à direita: seguir até o final] ou  ônibus executivo que conecta o Aeroporto ao Setores Hoteleiros Norte e Sul. O terminal está no piso dos desembarques do Aeroporto, no fundo à direita, para quem está saindo. As partidas são a cada meia hora, de 6h30 às 23h30. Desça no Setor Hoteleiro Norte, depois da Rodoviária do Plano Piloto, no ponto do Hotel Mercure: o CCM fica a 2 km. Poderá tomar um taxi  ou ir a pé.

Da Rodoviária: Metrô ou ônibus Coletivo  [via até a Rodoviária do Plano Piloto e lá tomar o ônibus 116 e descer na W3 Norte – Quadra 504/505, em frente ao supermercado Carrefour Bairro. Atravessar a avenida W3 em direção à W5. Na quadra 905 da W5 Norte, na esquina com as Pontifícias Obras Missionárias, há uma rua à direita: seguir até o final] 

OBS.: Nos dois locais existe serviços de TAXI  e  UBER